O quarto episódio de Deuses Americanos, Git Gone, muda algumas coisas no cenário da série. Ao contrário dos outros episódios, Git Gone não segue aquela mesma estrutura de mostrar um “conto” antes e começar a trama principal.

Dessa vez, a série foca em Laura, em mostrar o passado dela, seu lado da história e explicar como o final do terceiro episódio aconteceu. Eu estava ansiosa pelo episódio que falaria de Laura, não só porque já tinha lido que era o melhor desses primeiros, mas também porque é a chance que a série tinha de dar espaço para uma personagem feminina, o que não tinha feito bem até agora.

Git Gone é, por enquanto, o meu episódio favorito de Deuses Americanos. Ele quebra tudo que foi visto até agora: padrões de estrutura, a visão que tínhamos de Laua e até certas coisas que achávamos de Shadow. E é um daqueles episódios que parecem realmente explicar algumas coisas.

O texto contém spoilers do episódio.

American Gods Season 1 2017

Quem leu o livro já sabia que Laura ia voltar e também já sabia que ela era quem salvava Shadow no final do primeiro episódio. Por isso, em parte, eu tinha essa esperança que a série ia dar a chance da personagem brilhar. Laura precisava ter uma chance de ser mais que a mulher ideal que, “do nada”, trai o marido que tanto a amava.

Até o momento, a série mudou poucas coisas que estavam no livro. Em Git Gone, Deuses Americanos expande o passado de Laura e de Shadow de uma forma que o livro não faz, colocando certas mudanças. É quase engraçado que o melhor episódio seja justo o “menos fiel” ao original. Fica aí para provar que mudanças não são o que fazem uma adaptação ser ruim.

Ao contrário dos outros episódios, Git Gone não mostra uma história paralela antes de começar. Nós já somos apresentados a Laura, que trabalha em um cassino. Já dá para entender muito da personagem nesse começo: ela tem um emprego, mas está entediada. Mais do que isso, é possível que ela esteja deprimida, porque tenta se matar com um inseticida.

No trabalho ela conhece Shadow, que está tentando roubar o cassino. Laura é esperta e percebe o que ele está tentando fazer, então ao invés de entregá-lo para o segurança, ela manda Shadow ir embora antes de tentar roubar de novo. Depois do trabalho, Laura encontra Shadow novamente, eles vão para casa dela e passam a noite juntos.

Quando comecei a assistir o episódio, tive com Laura a mesma sensação que tenho com o Shadow às vezes: Por que ela toma certas atitudes? Por que ela levaria Shadow para casa, um cara que acabou de tentar roubar o cassino? Mas quanto mais conhecemos Laura, mais sentido vemos em suas ações.

American Gods Season 1 2017

Shadow e Laura têm uma conversa filosófica sobre o que acontece depois da morte, que não só é importante para entendermos Laura melhor, mas também para ver como a questão da fé funciona na série. Wednesday já tinha falado antes sobre o fato de acreditar em algo fazer esse algo ser real. A “crença” de Laura, que depois da morte a pessoa simplesmente apodrece, vai ser lembrada mais tarde no episódio, mas chego nesse ponto daqui a pouco.

Laura não acredita em nada porque nada parece fazer sentido para ela. A personagem não se sente motivada por nada. Quando conhece Shadow e o leva para casa, há uma novidade ali, mas até o casamento deles cai no tédio eventualmente, porque Laura simplesmente não está feliz. Ela apenas segue a vida, esperando alguma coisa acontecer, querendo que algo a faça sentir alguma coisa, qualquer coisa, por isso se coloca em certas situações absurdas. Por mais que não tenha morrido fisicamente, é como se ela estivesse apodrecendo.

A conversa que ela tem com Shadow sobre roubar o cassino também revela muito sobre os dois personagens. Ele não entende como Laura não pode estar feliz, porque ele está. Às vezes as coisas não são tão simples e não é só estar ao lado de Shadow que vai resolver. Laura gosta dele (menos do que Shadow ama ela), mas ela quer mais. E não há problema em querer mais, é interessante que a personagem feminina não fique simplesmente bem e feliz quando o homem entra em sua vida.

De qualquer forma, o plano que eles fazem dá errado e Shadow vai para cadeia. Ele pega vários anos na prisão sozinho e Laura fica livre. A rotina volta a ser aquela coisa entediante de sempre e vemos o momento em que ela trai Shadow. Depois vem os acontecimentos que já conhecemos, só que do ponto de vista dela: A ligação de Shadow da prisão e sua morte.

Pela primeira vez, uma das histórias paralelas faz ligação com a trama principal. Anubis aparece mais uma vez para pesar o coração de Laura, que não deixa o deus colocar tudo na balança, já que ela conhece o resultado. Como ela não acreditou em nada, ela iria para o nada. O que não dura muito tempo, já que ela é puxada de volta para o mundo dos vivos como uma espécie de zumbi.

american-gods-season-git-gone

Laura encontra Shadow sendo atacado pelo Technical Boy e vemos que é ela que o salva, mas não fica lá para dar oi. Ao invés disso, ela volta para casa e encontra Audrey. Você nunca achou que uma cena de um zumbi invadindo o banheiro de uma mulher gritando poderia ser algo engraçado fora de uma série de comédia, mas a cena é incrível. Quase dá para acreditar que é assim mesmo que as pessoa voltariam da morte.

Esse momento foi outro que demorei para entender. Apesar de Laura gostar de Shadow, no momento em que morreu ela não estava apaixonada por ele, mas de repente ela precisa ir atrás dele de qualquer forma. Ao longo do episódio, acho que entendi. Ela cometeu erros e se arrependeu, Laura não tem problema em admitir que não é a melhor pessoa, ela fala isso tanto para Anubis quanto para Audrey, mas quando o que ela faz causa a infelicidade de alguém com quem ela se importava, ela sente. Depois que viu Shadow, talvez tenha se tocado de várias coisas.

É irônico que ela encontre um objetivo, uma vontade de seguir em frente depois que morre, sendo que passou parte da vida apodrecendo de uma forma metafórica. Agora ela está literalmente apodrecendo, mas aparentemente mais determinada do que nunca. Parece aquela velha história da gente só perceber o quanto gostava de algo depois que perde.

Mr. Ibis e Anubis encontram Laura e colocam o corpo dela de volta no lugar, mas Anubis promete que, assim que ela terminar com sua “missão”, ele vai levá-la de volta para o mundo dos mortos. Logo em seguida vemos a cena do final do episódio três, mostrando o momento em que Laura e Shadow se reencontram.

Como sempre, um dos pontos altos da série continua sendo a atuação. Emily Browning leva o episódio nas costas, depois desse episódio nós sentimos que conhecemos Laura, até melhor do que Shadow. Ele tinha uma imagem um tanto quanto errada da esposa e talvez só agora, depois da morte dela, que Shadow vai conseguir entender.

17-emily-browning-american-gods-w710-h473

E nós conhecemos Laura, isso era muito importante. Até o momento, por conhecermos Shadow e não Laura, era muito fácil achar que ela era uma completa cretina e ele o “coitado” da história. Laura não é uma pessoa ótima, mas ela não precisa ser, e quando seus erros são mostrados de forma tão humana, ela faz o público sentir empatia por ela e ganha muito como personagem. Há muitas coisas na série que são difíceis de acreditar, não só o aspecto fantástico, mas como alguns personagens tomam certas decisões. Eu acredito na personagem de Laura, eu consigo entender uma personagem que fez coisas erradas, sabe que fez e só se toca disso algum tempo depois. Eu acredito em uma mulher que não ficava completamente feliz só de estar casada com um cara legal, porque a vida não é só isso. E eu acredito na ironia de uma pessoa só querer algo depois que já é tarde.

Eu imagino que parte do fandom da série vai continuar odiando Laura. Tudo bem, ela não é exatamente uma pessoa amável, mas eu adoro que ela não seja essa pessoa perfeita dos sonhos de Shadow. Dificilmente nós somos perfeitos como os outros querem que a gente seja. Sem contar que, infelizmente na ficção, as mulheres não tem a oportunidade de terem suas histórias contadas de formas humanizadas. Elas são duramente punidas pelos seus erros ou precisam ser perfeitas. A própria Laura sabe que ela não é uma pessoa ótima, mas com esse episódio ela se tornou uma das minhas personagens preferidas. Inclusive a série mostrou coisas que o livro não mostrou. Quando li Deuses Americanos eu gostava de Laura, mas não tanto quanto outros personagens. Essa Laura de Emily Browning fez a personagem mais interessante para mim.

Tenho apenas um receio: Não quero que Laura se torne a mulher que não via motivo para viver, mas em Shadow, ou seja, no homem com quem conviveu, ela encontra todas as forças e vontades. Quero que ela cresça além disso. Eu entendo a personagem começar sua busca assim, afinal ela acabou de reencontrá-lo depois de muito tempo e ele está magoado, mas não quero que fique só nisso. A construção de Laura nesse episódio já é legal ao mostrar que não, um homem na sua vida pode não melhorar tudo, então se isso acontecer agora vai diminuir essa construção.

Eu gostei bastante desse episódio, o melhor para mim até agora. Espero que Laura apareça mais, que ganhe espaço além de Shadow, também quero voltar a ver Bilquis e outras personagens femininas. Quero muito ver a interação de Laura com Shadow agora e ver para onde a história vai se encaminhar.

Originalmente postado em Ideias em Roxo.

%d blogueiros gostam disto: