Essa semana Jennifer Lawerence, que logo mais estreia a última parte da quadrilogia Jogos Vorazes, escreveu uma carta aberta através do newsletter da atriz Lena Dunham em que fala sobre o sexismo em Hollywood. Obviamente Lawrence está falando sobre quantias de dinheiro que nós mortais nunca receberemos de salário, mas é interessante ver como os argumentos que ela apresenta se relacionam tanto com o modo como nós agimos também.

giphy-5

Sobre ter recebido menos do que seus colegas masculinos de elenco por A Trapaça (American Hustle), filme pelo qual foi indicada ao Oscar:

Eu estaria mentindo se dissesse que querer que as pessoas gostassem de mim não influenciava a minha decisão de fechar um acordo sem realmente brigar (pelos meus direitos). Eu não queria ser vista como “difícil” ou “mimada”. Naquele momento parecia uma ideia boa, até eu ver a ficha de pagamentos na internet e me dar conta de que cada homem com quem eu trabalhava com certeza não se preocupava em parecer “difícil” ou “mimado”.

Quem nunca, né moças? Quem nunca deixou de falar ou de requisitar algum direito por medo de parecer difícil ou mimada? Se você bater o pé por algo que acredita, por um direito pode inclusive ter sua carreira prejudicada por isso. Em Hollywood Anne Hathaway é considerada insuportável pela mídia por ser boazinha demais, Shonda Rhymes é considerada uma mulher raivosa por não se deixar diminuir.

No nosso dia a dia quantas vezes a gente não retrai nossa personalidade para não “ofender”, para respeitar e para não ser considerada “exagerada”? Nós somos ensinadas desde novas a sermos delicadas, adoráveis e amáveis. Colocamos nossas necessidades e nossos desejos para trás em busca de criar um ambiente mais tranquilo, muitas vezes sem nos darmos conta de que fazendo isso estamos apenas nos conformando com o sistema machista, que diz que a mulher não tem que ter voz, que ela vem sempre em segundo lugar.

Nunca mais.

giphy-6

Lawrence também falou sobre um episódio recente, quando disse a sua opinião para um colega de trabalho:

Algumas semanas atrás, eu falei a minha opinião e disse o que queria de uma maneira clara e sem frescuras, sem agressão, apenas direta. O homem que estava trabalhando comigo (bom, trabalhando para mim) disse, “Uou! Nós estamos no mesmo time!” Como se eu estivesse gritando com ele.

Eu fiquei chocada por que nada do que eu disse foi pessoal, ofensivo ou, para ser honesta, errado. Tudo que eu vejo e escuto todos os dias são homens falando suas opiniões e, quando eu digo a minha [opinião] da mesma maneira, parece que eu disse algo ofensivo.

Outro ponto com o qual podemos nos relacionar. Quantas vezes numa discussão ou mesmo numa roda de amigos você apontou o erro de um colega e recebeu de volta um “nossa, tá nervosa hoje. TPM?” Mas quando eles indicam o nosso erro, são os senhores da verdade. Isso reflete em muita coisa, inclusive nos infames Broappropriation e no Manexplaning.

A atriz completou:

Eu cansei de tentar encontrar o modo delicado de dizer o que penso para as pessoas continuarem gostando de mim! Foda-se. Eu não acho que tenha trabalhado com um homem que tenha perdido tempo pensando em como ele deveria falar algo para ter a sua voz escutada, ele é simplesmente escutado. Jeremy Renner, Christian Bale e Bradley Cooper, todos eles lutaram e tiveram sucesso ao negociar acordos poderosos para eles. Se aconteceu alguma coisa, foi eles serem elogiados por serem táticos e destemidos, enquanto eu estava preocupada em não parecer mimada e terminei sem receber a minha parte justa. De novo, isso pode não ter nada a ver com a minha vagina, mas eu não estava errada quando um outro e-mail da Sony vazou e revelou um produtor se referindo a outra atriz protagonista como mimada durante uma negociação de contrato. Por alguma razão eu não consigo imaginar alguém dizendo isso sobre um homem.

É, Jennifer, o gap de pagamento tem bastante a ver com o seu gênero. De qual outra forma é possível explicar um ator como o Jeremy Renner, que nunca fez um protagonista de imenso sucesso, receber mais do que você? Difícil.

giphy-8

 

  • Daniela karasawa

    “Quantas vezes numa discussão ou mesmo numa roda de amigos você apontou o erro de um colega e recebeu de volta um “nossa, tá nervosa hoje. TPM?” Mas quando eles indicam o nosso erro, são os senhores da verdade.”

    E quando você perdeu o emprego por isso? por você ser um “ser de segunda classe”…

    • Rebeca Puig

      Nossa, Daniela. Que bad. =\

  • Mariana Roriz

    Quando trabalhei de webdesigner uma vez para o governo, tive um chefe que tentava me testar em absolutamente tudo o que eu fazia. Depois de fazer das tripas coração e conseguir entregar um site de notícias completo em duas semanas (o que o webdesigner anterior, que era homem, atrasou a entrega por três meses e depois saiu e deixou o pepino para mim), meu chefe veio ver o site e, apesar de a equipe inteira ter gostado, ele resolveu me sacanear e dizer que não estava bom e que eu deveria refazer com um método extremamente obsoleto (tables). Tivemos uma discussão nesse dia, em que eu expliquei pra ele por que esse método só prejudicaria o sistema e que a equipe iria sofrer muito com as atualizações do site (era um site dinâmico gente, as pessoas postavam com wordpress e o cara queria botar tables). Resultado: Por ter mostrado que eu conhecia mais de webdesign e desenvolvimento que o meu chefe, ele passou a fazer assédio moral pesado em mim, do nível de me forçar a fazer hora extra desnecessária só pra me deixar sozinha com ele no escritório, me acusar de coisas que não fiz, dizer que eu chegava atrasada todo dia sendo que eu chegava sempre quando não tinha ninguém lá, fazer fococa pra equipe inteira de que eu era incompetente e que ele duvidava que eu sabia fazer meu trabalho (claro porque os sites apareciam magicamente prontos no prazo previsto.) Enfim, gravei reuniões e juntei inúmeras provas em emails etc, e fiz uma reunião com os líderes do projeto para falar sobre o que tava acontecendo. de todo mundo que disse que ia me defender, apenas DUAS pessoas falaram, os idealizadores do projeto me trataram como se eu fosse idiota e uma mimada que não sabe trabalhar na indústria, meu diretor de arte, que era a única pessoa do meu lado, foi demitido pra me punir e eu me vi forçada a pedir demissão pois fiquei doente. Mas as pessoas ainda dizem que não tem sexismo.

    • Rebeca Puig

      Nossa, Mariana. Que bosta essa história. Espero que você tenha conseguido outro trabalho com pessoas mais legais. =\

  • Angélica Nascimento

    Trabalhei para uma empresa de advogados que não contratava homens porque acham que as mulheres são mais fáceis de “dobrar”, porque difícilmente nos recusamos a completar alguma tarefa, mesmo que não esteja entre as nossas funções. Isso não foi algo que deduzi, ouvi issoda boca dos dois ssócios!

    • Rebeca Puig

      Difícil isso, heim? Ao mesmo tempo que é espaço para mulheres trabalharem vem carregado de tanto machismo que dá desgosto. =\

  • Carolina

    Rebeca, posso andar com você no intervalo? HSAUSHAU Você é demais *-*

    • Rebeca Puig

      huahuahuauhaauh Fechô! <3

  • Lis

    “Não contrato mulher feia pq mulher feia se odeia e não rende. Mulher tem que se “cuidar”, estar sempre bem arrumada, homem não precisa” foram algumas das coisas que ouvi DOS DONOS DA EMPRESA. E AGORA TÔ ME SENTINDO FORÇADA A PEDIR DEMISSÃO E PERDER MEUS DIREITOS PQ NÃO TENHO MAIS SAÚDE MENTAL PRA LIDAR COM CHEFE E COLEGAS…

    • Rebeca Puig

      Nossa, Lis. Espero que as coisas se resolvam da melhor maneira pra ti. <3 O ambiente de trabalho é um dos lugares onde mulheres mais ~precisam~ ouvir chorume mesmo. =\

  • Pingback: Link Love #2 - Paula Guimarães()

  • SONHA

    O que eu POSSO FALAR QUANDO ALGUEM DIZ O NEGÓCIO DA TPM PRA MIM? :C
    Nunca sei o que responder!! Só quero dar minha opinião!

    • Rebeca Puig

      Tem muitas coisas, eu vou postando aqui aos poucos. Mas esse quadrinho é bem <3 https://www.facebook.com/kisuki.me/photos/a.226124784147525.50890.226119414148062/396526667107335/?type=3&theater

  • Patricia

    Pior é quando você tem mais conhecimento que o colega (homem) de trabalho, mas é desvalorizada porque “ele não precisa faltar pra levar o filho no médico”
    Daqui a pouco a mulher vai ter q apresentar atestado de esterilidade para trabalhar !!!!
    Essa da TPM é clássica.

%d blogueiros gostam disto: