Vou falar especificamente do público/meio nerd aqui, mas eu sei que isso também se encaixa em outras áreas.

Parte de ser feminista (ou de qualquer outro tipo de movimento social) é ter suas opiniões diminuídas por qualquer motivo. Nem precisamos estar necessariamente fazendo uma crítica, por simplesmente sermos mulheres é bem possível que apareça algum cara dizendo que não entendemos do assunto, aí ele pode simplesmente te desmerecer ou tomar aquele teu espaço de fala. Não foram poucas vezes que minha opinião sobre jogos, por exemplo, foi diminuída porque “mulher não manja tanto quanto homem”.

Desde que passei a me identificar como feminista e principalmente depois de ter começado a escrever e fazer vídeos, parece que não dá pra passar 15 dias sem uma polêmica. Ao contrário do que muitos acreditam, não somos nós que criamos o problema, é que agora não ficamos mais quietas. Afinal, por que deveríamos?

O que me fez sentar pra falar sobre isso hoje, a gota d’água da vez, foram as novas imagens da Arlequina no último trailer do Esquadrão Suicida. Várias pessoas, incluindo eu, já falaram do problema dela ser apresentada como objeto sexual em todo material promocional do filme.

É normal que vá aparecer gente pra concordar e discordar, o problema é que passeando pela internet, muito dos comentários são “ai que exagero”, “essas feministas estão sem limites”, “é muito mimimi”.

Na história da humanidade as reações e reclamações das mulheres são sempre desmerecidas, porque né, essa história todo mundo já conhece, se a moça não se comporta da forma que o homem acha que deve ela é considerada histérica, louca, maluca, descontrolada… Quando não é o tão famoso gaslighting, também podem colocar a culpa na TPM ou na “falta de homem”.

Acabo me focando na questão das mulheres porque é meu local de fala, mas pessoas negras, LGBT+ e qualquer tipo de minoria precisa lidar com o tão famoso “você tá de mimimi” sempre que apontam alguma coisa problemática em algo. Já discuti com homem cis que só repensou no que estava falando quando outro “brother” veio dizer o mesmo que eu tava dizendo, porque né, eu sou mulher, eu tava exagerando.

Ultimamente no “mundo nerd” rolaram dois exemplos que mostram muito bem a contradição das pessoas que nos acusam de mimimi. Primeiro é o caso da Jyn de Rogue One, muito homem reclamou que agora Star Wars só tinha protagonista mulher, que todos os filmes nerds seriam sobre mulheres e alguns textos já provaram que não é o caso. O segundo é esse caso que vi hoje sobre jogadores que acharam um absurdo terem que jogar como uma mulher.

O mesmo cara que acusa uma moça de “mimimi” por querer mais protagonistas mulheres é o que reclama de Rogue One não ter um protagonista homem. O mesmo cara que acusa mulher de “mimimi” por querer personagens mulheres em jogos é aquele que xinga horrores no fórum por ser “forçado” a jogar com uma mulher.

Muitas pessoas nos acusam de exagerar, de não conseguir curtir nada na vida, “você precisa relaxar”, entre outras coisas, mas né, quando é alguma coisa que mexa no privilégio deles aí sim faz sentido. Na cabeça deles é um absurdo discutir representatividade e sexualização, mas como vocês se atrevem a tirar a “essência” de Star Wars? Comprometer a “fidelidade” da Arlequina do filme com a do quadrinho?

E talvez você pense “então não faz sentido feministas nos chamarem de machistas quando reclamamos dessas coisas” e isso é a famosa falsa simetria. São reclamações que não dá para comparar e muitas não fazem sentido, qual é exatamente a tal da essência de Star Wars que será perdida se o filme tiver uma protagonista mulher? Qual o sentido de dizer que Star Wars agora só tem mulher se a maioria dos personagens são homens? Qual é o problema de personagens pararem de serem reduzidas a objetos sexuais? É sério que tem cara achando que “ser fiel ao figurino do quadrinho” é mais importante que a objetificação das mulheres no cinema?

Um homem cis nunca vai sofrer preconceito pelo seu gênero, ele nunca terá sua opinião desmerecida e sua imagem reduzida a estereótipos pelo seu gênero, assim como um branco nunca vai passar por nada disso pela sua cor, um hétero nunca vai passar por nada disso pela sua orientação sexual…

É fácil desmerecer a opinião do outro em “é só mimimi” quando você não passa por isso. É muito cômodo para o cara nerd machista olhar todas as discussões ao redor das personagens mulheres e desmerecer, porque “não é tão importante”. Representação importa. É fácil ir com fake no twitter, youtube e facebook das moças que reclamam e tentar calá-las com ofensas. Porque a verdade é que diminuir nossas críticas ao “mimimi” prova não só que falta argumento para essas pessoas, que aparentemente são incapazes de tentar entender o lado do outro, como também mostra a intolerância diante de qualquer coisa que saia da sua realidade.

Vai lá, diga que esse texto é só mais um grande mimimi, não dá pra tentar conversar com quem não sabe argumentar e ver além do umbigo.

Postado originalmente em Ideias em Roxo

  • alice who ♡ ☾ (@coelhoobrancoo)

    gata na boa? palmas pra vc. pqp me senti representada nesse texto!
    esses dias tem sido complicado para mim falar sobre isso pq todo dia que eu entre no twitter ou no email do meu blog tem algum retardado tentando me calar pq eu falo sobre representatividade. sério, qual o problema das pessoas? não pode ter uma mulher com papel principal que o troço perde a essência?
    sem contar que pelo fato de sermos mulher os homens acham q temos que ficar provando que a gente sabe o suficiente não poder ser considerada nerd? a vá. agora tenho q saber quando aparece fulano de tal e em que volume aparece personagem tal pq se não eu não sei nada, mas ninguém pergunta isso pros machos. ninguém questiona eles sobre o assunto pq eles são homens e devem saber mais mesmo. sério, to cansada de ouvir isso e ser desmoralizada só pq sou mulher.
    meu marido é um que não manja nada, NADA e ele mesmo me pergunta sobre os arcos dos quadrinhos e eu explico numa boa, mas ai se tiver alguém no lugar ninguém presta atenção em mim e sim nele, caso ele explique alguma coisa que eu havia explicado anteriormente pra ele. ele mesmo diz q eu que mostrei, que eu q faço isso e aquilo, mas o povo ignora achando q eu não sei nada e tenho q ficar provando pq ele tá sendo bonzinho em me dar o crédito de algo. é de cair o cu da bunda isso viu. no mais é todo dia lutando contra isso pra ver se essa merda toda muda.

    • Soraya Madeira

      Concordo totalmente, Alice. Já passei por situações semelhantes com meu marido, até do tipo de eu dizer bom dia pra um vizinho do prédio e o cara responder pro meu marido, como se eu não tivesse dito nada ou não merecesse resposta, porque né, não sou o “chefe da casa”, além de também ter visto amigas passando pelas mesmas situações. A gente “tem” que se esforçar mil vezes mais pra “merecer” o status de nerd ou qualquer coisa que seja, e a luta é difícil. O importante, creio eu, é que a gente continue incomodando e levantando cada vez mais reflexões sobre representatividade. Força pra nós. 🙂

  • Vinícius Kern

    Muito bom! Sempre fico esperando problematizações e críticas aqui do blog :3

  • Marcos Correia

    Uma perguntinha: porque vocês fecham os comentários das notícias depois de algum tempo? É mera curiosidade minha, ok?
    Quanto ao texto, está de parabéns.
    Mais uma pergunta, se for possível: qual foi o jogo que gerou esse “mimimi” machista de ter que jogar com personagem mulher?
    Obrigado.