Chegou ao Netflix o que provavelmente é um dos meus Dramas favoritos. Hello, My Twenties (ou Age of Youth, como é o título no DramaFever), segue a história de cinco universitárias que moram juntas na casa Belle Epoche, uma residência para estudantes comandada por uma simpática senhora idosa. Jin-Myung, Ye-Eun, Song, Yi-Na e Jun-jae são colegas de apartamento e não podiam ser mais diferentes umas das outras. Cada uma delas estuda um curso diferente e tem conflitos diferentes nas suas vidas. Quando Song diz ver um fantasma preso dentro de um armário na sala do apartamento, cada uma parece carregar consigo o seu próprio fantasma.

Poucas vezes eu vi uma série focada no público jovem tratar tão minuciosamente sobre relacionamentos abusivos, e essa foi só uma das várias surpresas positivas que eu tive com Age of Youth. Confesso que quando vi a série no Dramafever eu fiquei com o pé atrás principalmente porque achava que seria uma versão coreana mais conservadora de Malhação ou algo assim. Mas a série é bem o oposto disso. A medida que a história ia avançando eu ia ficando mais apreensiva sobre como os temas que a série levantava iam ser trabalhados porque não é só de relacionamentos abusivos que Age of Youth fala, as série também aborda mentiras, prostituição e até eutanásia.

Tem muito em Hell, My Twenties com o que se identificar, principalmente se você mora ou já morou numa república. Todas as vezes em que se irritou porque alguém comeu a sua comida, a demora da amiga no banheiro, não entender as mudanças de humor da outra colega, ir aprendendo aos poucos quais eram os defeitos delas e os seus também. Aprender a criar empatia pelos problemas alheios e de sair correndo no meio da noite para ajudar, ao mesmo tempo em que se aprende a impor limites e se colocar em primeiro lugar. Hello, My Twenties é sobre amizade, sobre crescer, sobre julgar antes de saber, sobre desfazer o julgamento, sobre aceitar, sobre amar e sobre se libertar.

Hello, My Twenties faz ótimo uso do formato de poucos episódios tradicional dos Doramas. São apenas 12, mas que conseguem contar bem a maioria das histórias que apresenta, salvo pela história de uma das meninas, que acaba parecendo melhor frente às tragédias e reviravoltas na vida de suas colegas. O desenvolvimento das personagens é muito bem estruturado, dando espaço para mudanças de pontos de vistas que são extremamente importantes quando falamos de uma sociedade que é culturalmente muito tradicional e por isso bastante preconceituosa (eu estou falando da Coreia do Sul, mas a mesma discussão pode muito bem ser incluída aqui no Brasil).

Talvez os meus arcos favoritos sejam os de Jun Ye-Eun e de Kang Yi-Na. Ye-Eun é uma típica garota fofa coreana, que possui o namorado de seus sonhos e a tem todo o conforto que poderia querer. Infelizmente seu relacionamento está longe de ser o ideal de verdade, e ver o modo como ela e suas amigas se dão conta de que Ye-Eun está num relacionamento abusivo é, do ponto de vista narrativo, incrível. Eu nunca vi um seriado focado no público jovem tratar desse assunto de maneira tão assertiva. Yi-Na é a antítese da colega de casa, uma garota altamente sexual, possui diversos casos com homens mais velhos que a sustentam. O modo como ela vê a vida que leva, a maneira como suas colegas descobrem e o modo como isso é lidado dentro do seriado foi uma das minhas maiores surpresas na série.

Song tem o arco mais leve, mas não por isso menos divertido. Apesar da atriz ser fofíssima, dentro da sociedade coreana ela é vista como desleixada e pouco feminina, o que a leva a ter problemas para arrumar um namorado (calma que termina legal). Talvez a protagonista da série, Eun-Jae tem uma das histórias mais dramáticas, ouso dizer que sua história é uma tragédia na forma tradicional da palavra. É interessante ver como ela vai desabrochando. Ye-Ri é a mais velhas das cinco, universitária no último semestre da faculdade, ela tem mais empregos do que deveria, mas o passado trágico de sua família não a permite viver com tranquilidade.

O que mais me deixou feliz em Hello, My Twenties é que a série possui todos esses temas pesados e polêmicos mas consegue desenvolver as personagem fugindo de estereótipos narrativos que são comumente parte dos Doramas. Há muita leveza quando se trata de assuntos pesados, e em momento algum a série tece juízo de valor sobre as escolhas de suas personagens – algo que é difícil de se encontrar em qualquer tipo de mídia.

Se você já curte, ou nunca assistiu nenhum Dorama na sua vida, não importa. Hello My Twenties é o tipo de série que conversa bem com qualquer cultura, basta você estar disposta a querer assistir a história de cinco mulheres completamente diferentes, com pontos de vistas diferentes, mas que querem exclusivamente seguir em frente com a vida.

Você pode assistir Hello, My Twenties no Netflix, ou no DramaFever (Mas lá se chama Age of Youth). Depois vem aqui contar o que você achou! 😉

%d blogueiros gostam disto: