E alguém ainda achava que era o contrário? Oo.

Em entrevista ao site Comicosity, Greg Rucka, roteirista  da nova fase da Amazona em DC Rebirth, confirmou que tanto Themyscera, quanto a Mulher Maravilha são Queers.

Matt Santori-Griffith, que conduzia a entrevista e que é gay, foi bem direto “Eu vou começar de maneira simples e direta. A Mulher Maravilha que você e Nicola nos apresentaram em “Ano Um”, ela é Queer? 

Rucka primeiro quis saber o que o termo Queer significava, já que ele é um cara branco cis e hetero e poderia ter uma interpretação diferente da do entrevistador. Santori respondeu que para o propósito da conversa ele iria “definir queer como estar envolvido, não necessariamente exclusivamente, de maneira romântica e/ou de interesse sexual com uma pessoal do mesmo gênero.”

Rucka respondeu:

Então, Sim.

Acho que é mais complicado do que isso, no entanto. Esse é basicamente o problema com Diana: nós tivemos uma longa história de pessoas – por uma variedade de razões, incluindo provocação sexual, que eu acho ser a pior razão – dizendo, “Ooo. Olha. São as Amazonas. Elas são gays.”

E quando você começa a pensar no conceito de Themyscira, a resposta é “Como elas podem não estar em um relacionamento com elas mesmas?” O contrário não faz nenhum sentido.

Deveria ser o paraíso. Você deve conseguir viver feliz. Você deve ser capaz – em um contexto onde uma pessoa pode viver feliz, e parte do que se precisa para ser feliz é ter um parceiro – de ter um relacionamento que te complete de maneira romântica e sexual. E as únicas opções são mulheres.

Mas uma Amazona não olha para outra e diz “Você é gay”. Elas não fazem isso. Esse conceito não existe.

Agora, nós estamos dizendo que Diana já esteve apaixonada e em um relacionamento com outra mulher? Como eu e Nicola (desenhista da série) mostramos, a resposta é obviamente sim.

E precisa ser sim por um monte de razões. Mas talvez a mais importante dentre elas é que se não for isso, então ela vai embora do paraíso apenas por causa do seu interesse romântico em Steve (Trevor). E isso diminui o seu personagem. Ia ferir a personagem e tirar dela o seu heroísmo.

crying

Nunca fez sentido na minha cabeça que Themyscera fosse uma ilha cheia de mulheres heterossexuais, que são apenas amigas e companheiras de guerra uma das outras. Quer dizer, como assim tem esse monte de mulher maravilhosa e nem umazinha se apaixona pela outra? Você já viu as Amazonas? Pessoas se relacionam, se apaixonam e vivem juntas. É mais do que natural que o mesmo aconteça num grupo unicamente feminino.

Como disse Donna Dickens, que é bissexual, no Hitfix:

Não, a Mulher Maravilha não é definida pela sua orientação sexual. Mas ter a confirmação dela como uma personagem queer é um grande passo para humanizar aqueles de nós que caem entre o hetero e o gay no espectro LGBT. Diana Prince é uma heroína com compaixão, uma guerreira feroz, uma diplomata… E é bissexual.

Desde sua criação a Mulher Maravilha tem aspectos que indicam o fato dela ser bissexual, mas anos e anos da DC negando ou se recusando a confirmar, e de autores vendo Themyscera através da lente heterossexual impediram que de fato essa confirmação acontecesse.

Uma questão que Dickens também levantou foi sobre a necessidade ou não de Diana falar isso abertamente nos quadrinhos. Ao mesmo tempo em que ela sente que a história como está mostra que nós já não sentimos mais a necessidade de fazer a personagem se posicionar, Dickens também sente que é preciso sim ver a personagem falar sobre isso nos quadrinhos. Particularmente eu acho que não seria um problema ter a personagem falando isso uma única vez, para sedimentar em definitivo esse aspecto.

É muito bom ver que a editora parece estar caminhando para um lugar mais inclusivo. Eu ainda adoraria ver uma mulher trans sendo parte das Amazonas. Mas saber que o autor do quadrinho está disposto a falar sobre Diana ser bissexual de maneira tão aberta é ótimo, quem sabe não temos mais surpresas no futuro? 

%d blogueiros gostam disto: