O texto possui spoilers de Star Wars: O Despertar da Força.

Desde que o episódio VII de Star Wars foi anunciado, muito tem se falado da diversidade que está sendo inserida em uma das histórias mais amadas entre os nerds. Então não é nada surpreendente que a parte preconceituosa dos fãs, que nós já sabemos que não é pequena, ainda está reclamando de inúmeras coisas.

A repercussão sobre a diversidade do filme não foi pequena, tivemos inúmeros textos sobre a Rey e o Finn, sobre a representação de mulheres e negros, que inclusive cresceu para discussões sobre por que não encontramos tantos brinquedos da Rey ou sobre por que os bonecos do Finn estão sobrando nas lojas enquanto os outros sempre esgotam.

Uma coisa em especial veio chamando minha atenção. Desde que escrevi meu texto sobre a Rey e o quanto é importante ter uma mulher como protagonista de Star Wars, vi vários comentários, tanto no meu texto quanto em outros lugares, sobre Rey ser uma Mary Sue. Confesso que não sabia muito sobre o termo, então fui pesquisar. (Nota rápida: Ao contrário do que algumas pessoas me acusaram, sim, a tal da “justiceira” aqui viu sim todos os filmes de Star Wars, mais de uma vez cada por sinal. Eu conheço e pesquiso algo antes de falar sobre o assunto, diferente dos caras que nunca leram um parágrafo sobre feminismo e cobram minha carteirinha nerd. Quem que não faz a lição de casa?).

Vamos começar explicando o termo Mary Sue

O termo nasceu no mundo das fanfiction, que, para quem não sabe, é quando alguém escreve uma história de um universo ficcional que já existe. Caso você entre em um site de fanfics famoso, como o Archive of our own, vai encontrar histórias de inúmeros fandoms. Talvez o caso mais conhecido (infelizmente) é 50 Tons de Cinza, que começo como uma fanfic AU (alternative universe = universo alternativo) de Crepúsculo.

enterprise

Na década de 70, foi lançada uma fanfic de Star Trek e foi de lá que a tal Mary Sue surgiu. A personagem que deu origem ao nome usado no termo era uma mulher perfeita, bonita, inteligente, forte, que conquistava todos com seu charme e não tinha nenhum defeito. O que estava acontecendo nessa fanfic é que a Mary Sue na verdade era uma paródia para todas as meninas que escreviam fanfics e se inseriam nas histórias como personagens perfeitas.

Eu não vou entrar no mérito de fanfics ou de pessoas se inserirem em suas histórias, acho que isso é um assunto legal pra um outro texto, então vamos nos focar aqui na questão da Mary Sue. Com o tempo, o termo “Gary Stu” foi criado, que seria o equivalente homem, mas há tanto machismo na história de como o termo Mary Sue é usado que existir um termo para os homens dificilmente faz as coisas melhores ou mais justas.

Com o tempo, Mary Sue virou um adjetivo usado para várias personagens mulheres, o problema é que o termo era e é usado independente da personagem de fato ser mal escrita ou não na sua “perfeição”, o que logo se tornou uma maneira de diminuir as mulheres na ficção. Vale lembrar que infelizmente a representação das mulheres ainda está longe de ser tão grande quanto a dos homens, então diminuir as poucas que temos acaba se tornando algo ainda maior.

Antes que me acusem, eu não quero dizer que, já que não temos muitas mulheres, não podemos criticar uma que foi mal escrita. Podemos e devemos, pô, é basicamente o assunto mais discutido entre as nerds feministas, não? O problema é que as pessoas, principalmente os homens, são muito rápidos em qualificar uma mulher como Mary Sue porque elas são “personagens ruins” enquanto veneram homens que se encaixam facilmente como Gary Stu.

É quase engraçado, se não fosse irritante, que os caras amem inúmeros personagens homens Gary Stu, mas assim que encontram uma personagem mulher que pareça um pouco Mary Sue, eles a desmerecem. A explicação pra isso é fácil: O homem não precisa ser bem escrito para ser amado, não precisa ser complexo, afinal ele é homem, e eles são aceitos de qualquer forma. Agora uma mulher? Ah não, se ela não se encaixar num padrão de personagem específico, ela é diminuída e ignorada.

superman-02

Superman, Batman, Homem de Ferro, Capitão América, Nathan Drake, James Bond, Kirito, Goku… Todos eles possuem inúmeros fãs, tantos que inclusive imagino várias pessoas lendo isso e me xingando por colocar seu preferido aqui. Não tem problema você gostar deles, gosto de Uncharted, assisto Dragon Ball até hoje e gosto muito de vários filmes do Batman, afinal de contas são histórias divertidas, assim como outras pessoas adoram 007 e dos Vingadores. O que estou tentando provar é que ser um Gary Stu nunca foi motivo para personagem homem nenhum ser jogado pra baixo do tapete, independente do seu gosto pessoal.

Como qualquer julgamento, a mulher sempre se torna mais alvo do que o homem.

Então vamos voltar para o caso em questão, que é a Rey. Ela está sendo acusada por várias pessoas, em sua maioria homens, de ser Mary Sue e portanto não ser uma boa personagem, e já que ela é a protagonista eles alegam que isso torna o Episódio VII não só ruim, mas também uma “fanfic” (que muitas vezes usamos como adjetivo para obras que achamos mal feitas). Portanto vou contestar essas acusações, tanto por achar a história do Episódio VII muito boa, como por não acreditar que Rey seja Mary Sue, ou pelo menos que não deveria ser diminuída por isso.

Rey foi “acusada” de ser boa escavadora, lutadora, saber de mecânica, boa atiradora, pilota, fala mais de uma língua, usar a Força bem e aprender rápido como fazer isso… Tudo isso é verdade, mas nada disso surgiu do nada. Rey deve estar por volta dos 20 anos (talvez um pouco menos?) e, até onde sabemos, desde pequena viveu sozinha em Jakku, trabalhando como escavadora, que resultou nos seus conhecimentos sobre pilotagem e mecânica. É completamente natural que dominemos o assunto com o qual trabalhamos, ainda mais se estamos em contato com a coisa em questão desde crianças, então isso cobre algumas características. Viver em um planeta com mais de uma raça de alienígenas também pode justificar como ela sabe mais de uma língua.

Quanto a atirar, podemos sim discutir que ela aprendeu rápido, mas como o filme mostra, ela não sabia de primeira como usar uma arma. E aí tem a questão de saber lutar e da Força. Isso sempre me lembra a cena que o Finn fala “Vamos usar a Força” e o Han Solo responde “Não é assim que a Força funciona!”, eu sempre quero perguntar pra ele: “Então como a Força funciona?”, porque depois de sete filmes eu sinceramente acho que o padrão da Força é funcionar quando o roteiro precisa, mas isso é uma crítica pra outra hora.

Existem algumas teorias sobre como a Rey sabe usar a Força, desde ela ser uma Skywalker até ela já ter sido treinada no seu passado misterioso, então realmente não há explicação por enquanto, mas não muda o fato de que pode ter no futuro, já que boa parte do passado da Rey é um mistério.

671277

Aí entramos na questão dela saber lutar e chegar ao ponto de derrotar Kylo Ren, um sith treinado. Aqui eu preciso admitir: Eu acho que a vitória de Rey tem mais a ver com Kylo do que com ela. Calma, eu não estou desmerecendo a protagonista mulher em prol do vilão homem, mas há alguns poréns do lado de Kylo que afetaram seu desempenho na luta. Primeiro, ele tinha levado um tiro do Chewbaca e aquela arma não é pouca coisa, inclusive vemos ele batendo no ferimento algumas vezes. Juntando isso com o instinto de sobrevivência de uma moça que viveu sozinha boa parte da vida e a Força, não me parece tão absurdo assim que Rey vença Kylo. Caso você queira entrar no campo de teorias, na minha interpretação também tinha um outro motivo para o vilão ter sido derrotado: Nós vemos ao longo do filme Kylo hesitando sobre ser um sith, se sentindo atraído pelo lado da luz, eu acho que essa “dúvida” na Força dele pode muito bem sim ter afetado seus poderes.

Rey hesita, tem medo, foge, teima… Ela não é perfeita, mas eu entendo que o número de acertos dela no filme podem passar uma impressão assim. Mas aí é que vemos como uma mulher é apedrejada ao lembrar uma Mary Sue e um homem não é julgado por ser Gary Stu. Então vamos lembrar de Luke e Anakin.

Luke também viveu num planeta distante como Rey e tinha um número grande de habilidades impressionantes, além de ter conseguido explodir a Estrela da Morte no episódio IV. São feitos impressionantes pra alguém que nunca tinha ouvido falar da Força, nem lutado, nem tido contato com soldados imperiais… Vê onde eu quero chegar?

No caso do Anakin é ainda pior. Ele é um excelente piloto e construiu um robô quando era uma criança! As habilidades do Anakin quando criança me parecem muito mais absurdas que as da Rey com o dobro da idade. Mas ninguém fala disso, sim, muitos falam de como a segunda trilogia falhou em vários momentos e isso aparece também no desenvolvimento de Anakin, mas nunca vi ninguém acusando ele de ser Gary Stu como acusam Rey de ser Mary Sue. Além disso, o único momento que ele erra é no final, quando vira Darth Vader. Sabe, depois de um desenvolvimento de três filmes! A Rey só teve tempo de um filme pra desenvolver por enquanto, mas ninguém lembra desse detalhe.

Mas nós sabemos o motivo, é porque ela é mulher e mesmo sendo ficcional, se não se encaixam no padrão desejado, não servem.

Então sim, você está sendo machista quando quer desmerecer uma personagem mulher, depois do primeiro filme de uma trilogia, quando a chama de Mary Sue, mas não dá a mínima para os personagens homens que são Gary Stu. Ainda mais num fandom que ficou tão incomodado com a diversidade da nova trilogia, o que mostra que seu problema não é o desenvolvimento dos personagens, porque você ama Luke e Anakin mesmo que depois de três filmes eles podem sim ser considerados, de certa forma, Gary Stu. Seu problema é ver alguém diferente do padrão como protagonista.

EDIT: Algumas pessoas apontaram que o Kylo não é um sith, erro meu, mas o argumento dele não estar alinhado com o seu lado da Força continua (porque mesmo não sendo sith, ele ainda é do lado sombrio).

Originalmente publicado em Ideias em Roxo.

  • Isabelle

    Clarice, parabéns pelo texto!

  • tanira

    artigos sempre excelentes, parabéns!

  • Clarissa Nunes

    adorei seu post, pela acurácia das informações e o ótimo desenvolvimento da narrativa. o fato de você ser uma Dovahkiin atesta sua excepcionalidade. kudos to you.

  • Maria Fernanda

    Já estão chamando a Rey de Mary Sue? Tem gente que acha que se a personagem feminina não está agindo como um reles abajur sexy para é uma Mary sue, tá louco ¬¬

  • Andressa

    SE VOCÊ LEVAR EM CONSIDERAÇÃO AINDA QUE O LUKE AINDA CRESCEU SOB A PROTEÇÃO DOS TIOS COMO UM FARMER BOY E, PORTANTO, NÃO PRECISAVA SE VIRAR SOZINHO, CUIDAR DE SI E APRENDER A SE DEFENDER COMO A REY FEZ AINDA CRIANÇA, ELE SE TORNA UM GARY STU AINDA MAIOR. DE UMA HORA PRA OUTRA O GAROTO VIRA O BONZÃO DAS TAPIOCAS RESGATANDO A PRINCESA, PILOTANDO UM X-WING E SIM, USANDO A FORÇA E ACERTANDO DE PRIMEIRA! UMA DAS PARTES MAIS ENGRAÇADAS DO FILME É A REY “EXPERIMENTANDO” A FORÇA E CONSEGUINDO SÓ APÓS ALGUMAS TENTATIVAS. O LUKE ESCUTA O OBI-WAN UMA VEZ E BOOM, JÁ EXPLODE A ESTRELA DA MORTE.

    • fernanda

      Miga, eu comecei a assistir sw pela primeira vez na vida anteontem. E, vendo o ep IV eu pensei a mesmíssima coisa! Luke não tem absolutamente nada de especial, nem sabia o que tava rolando e enquanto a princesa leia tá lá dando a cara a tapa e mandando darth Vader se foder, ele tá tipo “uhhh qq tá con teseno”. Me convenci de que o filme foi escrito na década de 70 e isso muda muita coisa, certo? Agora, saber que em pleno 2015/16 as pessoas acham esse desenvolvimento ok enquanto o de rey eh contestável é no mínimo Questionável. Pra não dizer birrento e irritante.

  • Andressa

    Ai, gente, acho que deu algum bug e meu comentário tá aparecendo todo em caps lock 🙁 Foi mal se aparecer como se eu estivesse gritando.

  • Marcos Correia

    Se a Rey é Mary Sue, que venham mais delas. Espero que a presença feminina cresça ainda mais no episódio 8. Quero ver a Phasma arrebentar também.

  • TKnofel

    Exatamente

  • Mariana

    Excelente texto. (eu acho que essa caixa de comentários tá bugada, porque tá tudo em caps..) A saga de star wars não é diversificada só na nova trilogia. em todos os filmes e animações sempre teve personagens de todos os tipos, apesar de não ter tido protagonistas tão importantes quanto teve no episódio VII. Mace windu, um dos jedis mais adorados, é negro. tem muitas jedis mulheres nos filmes e nas animações, embora elas sejam em sua maioria alienígenas e secundárias. toda a história está infestada de personagens super-capazes, como foram dados exemplos no texto. Anakin era inteligentíssimo quando criança. luke não precisava nem sobreviver por conta própria, já que foi criado protegido, e ainda assim era muito inteligente e safo. e depois, se a força despertou justo na rey, faz todo sentido junto à história que ela seja muito capaz e saiba se virar bem sozinha. A força não escolhe bocó. E a gente também não sabe se nos próximos episódios ela vai se revelar uma nova escolhida como o anakin foi. mas a coisa é muito simples: mulher bonita e capaz não precisa de homem pra viver e isso dá medo neles. POr isso eles colocam todo tipo de defeito, porque imagina só se as mulheres e meninas decidirem se inspirar na rey e lutarem pra ser tão capazes quanto ela? quem vai fazer o sanduíche deles enquanto eles assistem futebol? Eu simplesmente amei a rey justamente por ela ter esses atributos. ela sabe cuidar de si, não é a heroína que tá sempre dando trabalho pro herói, pelo contrário, quando eles vão resgatar ela, ela já deu um jeito sozinha. ela não precisa de ninguém, e quem quiser, que a acompanhe, porque senão vai comer poeira.

  • DIEGO Benevenuto

    Texto ACERTADO, é exatamente o ponto.E OUTRA, pra mim rey é a melhor protagonista De star wars, pela primeira vez vimos alem de habilidades, facetas EMOCIONAIS. Se tivessem colocado uma personagem com apelo sexual, nenhum nerd/machista/babaca teria colocado tantas objeções. Que esta personagem abra a porta pra novas heroinas FEMININAS no cinema.

  • Bernardo Mascarenhas

    Acho estranho alguém ser considerado machista porque achou um personagem mal escrito. Em primeiro lugar dá pra notar, sim, uma tendência maior de apontar o dedo cobrando qualidade em personagens femininos de sucesso do que nos masculinos. Pode ser machismo, mas também acredito que exista uma quantidade tão avassaladora de personagens Gary Stu, mas tantos mesmo,que se tornou quase um lugar comum. É difícil ficar apontando um ou outro em um oceano de mediocridade. Já as mulheres, justamente pelo fato de raramente serem as protagonistas, são mais cobradas e esmiuçadas em suas qualidades e defeitos (e atiçam o preconceito e o machismo também, óbvio). Mas não acho que fazer uma leitura crítica de um personagem, seja de qual gênero for, seja contraproducente. A Rey é uma personagem muito cativante, merece todo o sucesso que faz e vai dar uma contribuição gigantesca para a representatividade na indústria, mas continuo achando que tem características Mary Sue, não só pelos atos e habilidades, mas pela própria vibe da personagem. Ainda pode melhorar bastante, e é bom que os roteiristas escutem as críticas que vierem e caprichem na evolução dela.
    Agora, só uma coisa, do oceano de personagens Gary Stu que eu comentei, achei estranho você citar como exemplo Superman, Batman, etc. Esses personagens que estão há décadas na cultura pop já foram escritos por inúmeros autores, com variáveis graus de qualidade. O Superman de Grant Morrison com certeza não é um Gary Stu, enquanto nas mãos de outros ele não passou de um boneco fortão. Batman, então, já foi de tudo, de palhaço até criação de gênio.
    A Rey tem de tudo para se tornar um personagem “larger than life”, de verdade. Por enquanto está mais é encarnando uma demanda reprimida de mocinhas que cansaram de ser salvas.

  • Thiago

    Concordo com o texto, de ponto a ponto, mas sério, que saco ainda termos que discutir sobre a culuta pop, porque uma meia duzia de retardados ainda não consegue aceitar que mulheres e negros podem protagonizar uma das maiores séries de sucesso do cinema. Mantenho a minha esperança no futuro, de que um dia será ridículo buscarmos nos primórdios da internt, textos como esse, qua ainda presicavam defender e dar voz as mulheres. é uma vergonha hoje e será uma vergonha no futuro. essa nossa geração ainda tem muito o que aprender. nosso presente é uma vergonha, nosso passado também será, nos resta o futuro.

  • maria clara

    adorei o texto! só um detalhe: acho que a rey não fica com medo, porque os jedis não sentem medo, essa é uma característica do lado negro da força! tanto é que na cena em que o kylo tenta controlar a mente dela e não consegue, ela diz que não tem medo dele, e é por isso que ele não consegue controlá-la! no mais, parabéns pelo texto 🙂

  • Lucio Ferro

    O QUE FALTA AS PESSOAS ADMITIREM É QUE SER FORmos ANALISAR CADA um, TODOS OS PERSONAGENS DESSA SÉRIE SÃO TOSCOS E BIDIMENSIONAIS, INDEPENDENTE DE SEU GÊNERO. STAR WARS TEM ALGUNS ASPECTOS INTERESSANTES, MAS A CONSISTÊNCIA DO CONTEÚDO NÃO É UM DELES. é uma verdadeira série de brinquedo.

  • Marina

    Ótimo texto! Parabéns!

  • Pandy

    Se vc reparar no filme o kylo só teve o treinamento jedi incompleto, ele nao teeinou no lado nefro, por isso no final do filme o lorde supremo o chama. Eram dois iniciantes um contra o outro, um nao alinhado e ferido, e uma determinada e alinhada.

  • Giovane do Monte

    Parabéns pelo texto. Coincidentemente, é exatamente o que pensei do assunto, principalmente no que tange ao kylo ren.

  • Pingback: [CINEMA] Porque as mulheres de O Despertar da Força são incríveis em 10 imagens()

  • Filipe Salles

    Só havia ouvido falar do termo mas não sabia o que era, obrigado por falar! E concordo bastante com essas críticas à Rey por ela ser overpower. Pode não parecer, mas ela erra bastante durante o filme, se negando a seguir em frente em vários momentos até não ser mais possível. Achei besteira as críticas que fizeram à ela, sendo que ela provavelmente já é mais velha que Anakin e provavelmente o próprio Luke quando começou a treinar.

    Só uma correçãozinha: O Anakin erra um tanto sim, no episódio II ele massacra os habitantes de uma aldeia habitada pelo Povo da Areia em Tattoine após sua mãe ser assassinada por eles. Inclusive crianças e idosos, antes mesmo de se converter para Sith.

  • Pingback: Rogue One, Machismo e Porcentagens. -()

%d blogueiros gostam disto: