Por Clarice França e Gabriela Zampar.

Procurando Nemo foi lançado em 2003. A animação, que conquistou o mundo inteiro, não parecia dar muito espaço ou até estar interessada em uma possível continuação. Para a felicidade e um pouco de pânico dos fãs, Procurando Dory estreia agora, 13 anos depois.

O filme se passa um ano depois dos eventos de Procurando Nemo. Tanto Marlin quanto Nemo parecem bem, ambos mais maduros depois dos acontecimentos do último filme. Mas aqui a estrela é Dory, que começa a se lembrar de sua família e de onde veio. Pra quem não lembra, Dory era um peixe que sofria com perda de memória recente, tendo que ser lembrada constantemente das coisas. Quando ela percebe que está se lembrando, começa a procurar sua família e acaba sendo presa em um aquário de um parque para animais marinhos.

Procurando Dory até funciona caso você não tenha visto o primeiro longa, mas com certeza é melhor quando já conhecemos aqueles personagens. É uma nova aventura que, tirando o trio principal, é composta por personagens novos e carismáticos, mas partes do roteiro usam muito a fórmula antiga de Procurando Nemo: procurar por alguém preso por humanos, “continue a nadar”, falar baleiês, etc. O roteiro é bom e funciona, mas perde um pouco da sua originalidade ao repetir algumas coisas.

A animação está incrível, não só as cenas do fundo do mar, mas mesmo aquelas que são dentro do parque mostram como a Pixar se preocupou com cada detalhe. Hank, o polvo, levou anos para ser animado, mas o esforço valeu a pena porque os movimentos do personagem são muito bem feitos e roubam a cena em vários momentos.

A Pixar foi esperta em trazer como protagonista um dos maiores acertos do primeiro filme, também entendeu que não eram todos os personagens que precisavam voltar e soube dar espaço para os novos. Hank, Destiny, os pais de Dory… Todos eles cativam o público ao longo do filme, seja com as risadas que nos proporcionam, com os momentos tristes ou as cenas em que eles finalmente conseguem superar algum obstáculo.

Os gringos que nos perdoem, mas a dublagem brasileira com certeza deu um toque especial. Algumas das melhores piadas são coisas que só fazem sentido na nossa língua, literalmente os nossos memes e é muito legal que eles coloquem isso nas telas. É um filme para crianças, mas também é para o adulto que era criança na época que Nemo se perdeu.

findingdory

Um dos temas mais abordados no filme é a questão da insegurança. Todos os novos personagens secundários acreditam que não são bons o suficiente para fazer algo, inclusive coisas que em tese eles nasceram para fazer, de acordo com suas espécies. Nesse ponto o roteiro é muito esperto, fazendo com que cada personagem tenha a chance de passar por certo desenvolvimento, de superar sua insegurança e perceber que ele pode fazer o que quiser.

No caso de Dory, essa mensagem fica ainda mais evidente e poderosa. É um filme sobre encontrar a família, em vários aspectos inclusive, mas a grande questão que Procurando Dory foca é o fato do peixe que ninguém botava fé, que parecia ser a mais frágil, conseguir completar a aventura. Dory duvida de si mesma e em vários momentos acreditamos que ela vai falhar, mas é Pixar. Mesmo os adultos já sabendo que teremos um final feliz, o filme vai nos guiando para que todas as emoções venham no momento certo.

Inclusive não podemos nos esquecer de que Dory tem uma deficiência, exatamente por isso os outros peixes nunca a levaram a sério. Isso é algo que Procurando Nemo também faz, mas enquanto Nemo é superprotegido pelo pai, Dory precisa encarar muito cedo um mundo que não tem paciência com ela. Mesmo que ninguém tenha acreditado e poucos tenham ajudado, ela prova que também consegue o que quer. Sim, ela vai ter que viver com o fato de que esquece e terá que lidar com certas coisas de forma diferente, mas ela também consegue.

Apesar do filme não ser uma continuação essencial para Procurando Nemo e em muitos aspectos não ser tão original, Procurando Dory é um filme bom que vai te fazer rir, chorar e torcer para que tudo dê certo, mesmo que no fundo você saiba que vai. Muitas continuações acabam sendo decepcionantes, mas Procurando Dory não se encaixa nessa categoria e é um filme que vale a pena.

Obs1: Sobre o Tang azul ou Cirurgião-paleta (a espécie da Dory), depois de Procurando Nemo a procura por Peixes-palhaço subiu 40% e mais de um milhão de “Nemos” foram retirados de seu habitat natural, de acordo com a Fundação de Conservação Salve Nemo, só que ao contrário do Peixe-palhaço, o Tang azul não consegue se reproduzir em cativeiro e a retirada deles da natureza poderia fazer com que a própria existência dessa espécie ficasse em risco. Sigam a mensagem dos filmes e não separem Dorys e Nemos de suas famílias

Obs2: Ainda não foi dessa vez que pudemos ver um casal lésbico sendo realmente representado em um filme de animação. Se o casal de lésbicas que supostamente apareceu no trailer sequer aparece no filme, é tão rápido que nem consegui ver e isso não é representatividade nenhuma. Isso é uma pena, mas quem sabe um dia…

%d blogueiros gostam disto: