Essa semana a Netflix confirmou a data de estreia da nova temporada de Black Mirror: 21 de outubro. Depois de duas temporadas com três episódios cada e um especial de natal, Black Mirror terá seis novos episódios. No ano passado, a Netflix confirmou que fariam doze novos episódios, então isso pode significar que uma quarta temporada já está programada.

Para quem ainda não conhece, Black Mirror é uma série inglesa que fala sobre tecnologia. Com episódios independentes, a série nos faz refletir sobre a tecnologia e como certas coisas afetam nossa sociedade. Black Mirror nunca coloca a tecnologia em si como vilã, mas sim o uso que nós fazemos dela. Há algum tempo atrás escrevi um texto que fala mais sobre a série.

Além de uma data de lançamento, também já sabemos o título dos episódios, quais serão os atores principais e os diretores:

  • San Junipero - Com Gugu Mbatha-Raw e Mackenzie Davis, dirigido por Owen Harris.
  • Shut Up and Dance - Com Jerome Flynn e Alex Lawther, dirigido por James Watkins.
  • Nosedive - Com Bryce Dallas Howard, Alice Eve e James Norton, dirigido por Joe Wright.
  • Men Against Fire - Com Michael Kelly, Malachi Kirby e Madeline Brewer, dirigido por Jakob Verbruggen.
  • Hated in the Nation - Com Kelly MacDonald, dirigido por James Hawes.
  • Playtest - Com Wyatt Russell e Hannah John-Kamen, dirigido por Dan Trachtenberg.

Charlie Brooker é o escritor principal de todos os episódios, menos Nosedive, que é escrito por Rashida Jones e Michael Schur, da série de comédia Parks and Recreation. Além disso Owen Harris, que dirige San Junipero, já dirigiu um episódio da segunda temporada Be Right Back, considerado um dos melhores até hoje.

Para aumentar a empolgação, temos algumas informações sobre alguns dos episódios: Nosedive é uma “sátira social sobre a identidade na era da mídia social”, Hated in the Nation é uma nova forma de fazer histórias policiais e Playtest é um episódio sobre videogames.

Apesar de tudo indicar que em outubro teremos uma temporada ótima, há uma coisa que me incomodou. É muito legal ver várias mulheres e atores negros estrelando os episódios, mas todos os diretores são homens brancos e o único episódio que tem uma mulher escrevendo é Nosedive. Representatividade na frente da câmera é muito importante, mas ter representatividade atrás dela também é necessário.

Caso você ainda não tenha assistido e quer entender a pegada da série, todos os episódios estão disponíveis na Netflix.

Via Birth, Movies, Death